Presidente da Fiesc fala sobre a virada na economia Brasileira com as reformas estruturais

É consenso que as reformas estruturais são a única forma de assegurar o crescimento sustentável no longo prazo, com geração de riqueza, empregos e desenvolvimento social. Impopulares no curto prazo, foram postergadas ao ponto de o País mergulhar na atual crise, cuja superação consumiu anos e ainda custa caro ao brasileiros. Mas as reformas, finalmente estão em curso.

Avançamos na área trabalhista, ampliando a segurança jurídica e valorizando a negociação entre empregadores e trabalhadores. As Normas Regulamentadoras, as chamadas NRs, começaram a ser modernizadas. A reforma da Previdência, que, se não foi a ideal, foi a mais profunda já realizada. Teve corajosa contribuição de praticamente todos parlamentares catarinenses, evitando o colapso da contas públicas e a ameaça ao pagamento das aposentadorias dos trabalhadores. O pacote da Liberdade Econômica estimula um ambiente mais favorável aos negócios e à produção.

Emendas Constitucionais

No mesmo sentido, as três Propostas de Emendas Constitucionais do programa Mais Brasil, enviadas esta semana ao Congresso, respondem a antigas reivindicações dos brasileiros, que esperam do governo eficiência na prestação dos serviços de saúde, educação, segurança e infraestrutura. A PEC do Pacto Federativo descentraliza recursos para estados e municípios e propõe mais autonomia na gestão do orçamento, permitindo maior proximidade entre os gastos e as expectativas de quem paga os impostos. A PEC da Emergência Fiscal fortalece o controle das despesas, o que é muito importante, pois a máquina estatal deve estar a serviço do cidadão e não consumir praticamente toda a arrecadação, inviabilizando os investimentos públicos. Por fim, a PEC dos Fundos Públicos, que libera R$ 220 bilhões para pagamento da dívida pública, será mais um fator positivo para o equilíbrio das contas do governo, permitindo a redução sustentável dos juros, com o consequente estímulo aos investimentos.

É bastante coisa, embora não o suficiente, pois ainda precisamos das reformas administrativa e tributária. Mas as atuais perspectivas econômicas são positivas como há muito tempo não eram e estão subdimensionadas no noticiário nacional. Em vez de amplificar a polarização do Brasil, precisamos dar o necessário valor a este grande conjunto de avanços objetivos que estão organizando as contas públicas, vão melhorar a confiança e criar um ambiente melhor para produção. Iniciamos uma grande virada, que vai resultar na melhoria da qualidade de vida dos brasileiros, graças às reformas, que, finalmente, estão ocorrendo.

Publicado em 12.11.2019-Jornal Estado Notícias SC. Imagem Fiesc

Leia Também

Novembro Azul Balneário Camboriú-Floripa…Coluna Toques e Notas

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *